Image Hosted by ImageShack.us
VISITA , COLABORA , DIVULGA

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

NATAL EM TEMPO DE GUERRA ... 9



26 de Dezembro de 1966
Quando se substituíam as munições dos carregadores e se limpavam convenientemente as armas, um soldado deixou disparar, fortuitamente, a sua arma.
A rajada matou três, e feriu mais cinco soldados.
Na enfermaria do Batalhão, os moribundos expiraram, os feridos gemeram e um dos médicos tentou, desesperadamente, reanimar um dos moribundos, em respiração boca-a-boca.
Indiferente à tragédia, num pequeno transistor, cantava-se o velho fado:
"Quando foram dizer à pobre mãe que o filho, lhe morrera lá na guerra..."


Um mês mais tarde, nos finais de Janeiro de 1967, para atacarem o mesmo objectivo do N'Galama-Piri, foram empenhadas:
13 Companhias de Atiradores;
1 Companhia de Paraquedistas;
1 Bateria de Artilharia 8.8;
Apoio Aéreo ao solo, assegurado com três parelhas de F-84 e várias parelhas de T-6.
O objectivo, suficiente para um pouco mais de uma dezena de homens, foi atacado, assim, por mais de mil e quinhentos homens.
Disseram os jornais da época ter sido um grande sucesso militar!

Nota do Autor:

– O diário do capitão, amareleceu e perdeu a pouca importância que alguma vez possa ter tido. Foi esquecido. Depois foi deitado ao lixo. Os herdeiros do capitão não gostavam de guerra e muito menos de África.


Oito anos mais tarde as armas mortíferas dos colonialistas, depois da "retirada a pé descalço" que foi a "exemplar descolonização", foram entregues aos nacionalistas. Serviram para que se matassem, uns aos outros, mais a cubanos e sul-africanos que entraram nas intermináveis batalhas, e que, décadas mais tardes, permitiram que continuasse a guerra civil.
Uma das folhas deste diário serviu para acondicionar e depois embarcar um dos milhares de caixote de munições que estavam a ser exportadas. Não se sabe, se para uma das muitas guerras nos países soberanos de África ou se para os cacos ensanguentados do que ficou dos povos desbaratados da Jugoslávia.
Aqui bem perto:
– Na Europa.

Lisboa 3.11.83

1 comentário:

Pedro C disse...

Um breve registo, apenas para entronizar a amizade e aproveitar o ensejo para dizer: presente! naquilo em que o meu parco contributo possa vir a ser útil. Sê-lo-á, contudo, fraterno e incondicional.

Do camarada desta guerra que não tem fim...

Pedro Cabrita